Editorial

A agonia da espera

Na edição de hoje, trazemos uma reportagem sobre o caos que assola o sistema público de Saúde da nossa região. Passado mais de um ano desde o início da pandemia do Coronavírus, pessoas continuam perdendo suas vidas sem se quer ter a chance de receber os cuidados necessários em um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Enquanto o Governo do Estado de São Paulo anuncia constantes quedas no número de casos e internações, aqui na região de Piracicaba os casos da doença só aumentam.

De um lado – segundo dados divulgados na coletiva de quarta-feira (19) -, o governo estadual diz que a taxa de ocupação dos leitos de UTI no estado é de 79% e na grande São Paulo é de 76,9%.

Esses números não refletem a realidade pelas ‘bandas de cá’, já que desde fevereiro deste ano, Capivari segue com 100% de ocupação nos leitos de UTI disponíveis em contrato com a Unimed Capivari, bem como a lotação nas internações clínicas e no suporte ventilatório da Santa Casa de Misericórdia da cidade.

Dito isso, vale ressaltar que os pacientes acometidos pelo Coronavírus em Capivari, Rafard ou Mombuca, amargam dias e até semanas à espera de uma vaga em leitos de UTI nas cidades da região.

Em muitos casos, devido ao profissionalismo e cuidado de toda equipe da Santa Casa de Capivari, os pacientes acabam reagindo ali mesmo, utilizando a estrutura disponível no hospital.

Infelizmente, nem todos os pacientes têm a mesma sorte. Enquanto a família busca meios judiciais por uma vaga, o paciente luta pela vida. Depois de dias ou semanas sem os cuidados necessários disponíveis em um leito de UTI, muitos perdem essa luta.

Segundo dados da Secretaria de Saúde de Capivari, neste momento, 6 pacientes carecem destes cuidados especiais disponíveis nas unidades de terapia intensiva.

O prefeito de Capivari, Vitor Riccomini, já declarou em outras oportunidades, que a Santa Casa do município tem a estrutura necessária para ativar 10 leitos de UTI, no entanto, não consegue o apoio financeiro dos governos estadual e federal para manter essas unidades. Outro detalhe citado é a falta de profissionais para compor a equipe na unidade.

Vale ressaltar que o número de casos cresce assustadoramente na região. Em Capivari, na segunda-feira (17), foram 68 novos casos. No dia seguinte, mais 57 novos infectados. Já na quarta-feira (19), foram mais 41 novos casos da doença. Ou seja, nesses 3 dias, a média de pessoas infectadas pela Covid-19 na cidade foi acima de 55 por dia.

Em Rafard e Mombuca não está diferente. Na Cidade Coração, foram registrados 33 novos casos em menos de uma semana.

Para encerrar, cabe lembrar que Capivari soma 103 óbitos confirmados pela doença. Cerca de 10% da população capivariana já contraiu a doença, os números de confirmados apontam 5.224.

E para encerrar, nunca é demais alertar que a conscientização da população é papel essencial na luta contra essa doença. Da mesma maneira que existem direitos, devemos nos lembrar dos deveres de cidadão e da compaixão para com o próximo.

Não é preciso ir longe para notar o desrespeito do cidadão. Enquanto alguns se enclausuram dentro de suas casas, outros estão por aí, nas ruas, sem máscara, comemorando não sei o que, na ignorância e sem se compadecer com a dor do próximo. E olha que muitas vezes, esse próximo é da própria família ou do ciclo de amizade.

A gente sabe que tudo isso vai passar, mas com a ajuda de todos, a vitória pode estar mais próxima. Que tal contribuir com a vida?

Botão Voltar ao topo
Skip to content