DestaquesNotíciasRafard

Acidental ou criminoso? Caminhão-pipa foi chamado para conter fogo

Mais uma vez, os moradores do bairro Popular, em Rafard, sofreram as consequências das queimadas. Desta vez, no matagal do terreno em frente ao cemitério municipal São Judas Tadeu.

O local fica na avenida São Bernardo, bem próximo à antiga Olaria do Moreira, onde se encontram diversos cavalos.

A queimada se iniciou por volta das 18h da última terça-feira, 13. A reportagem d’O Semanário esteve no local e identificou que o fogo se espalhava em três pontos diferentes.

Por volta das 19h, um caminhão-pipa da Raízen tentava minimizar o fogo. A fumaça também atrapalhou os motoristas que trafegavam pelo local.

Acidental ou criminoso?

Todo ano é a mesma coisa. A área não recebe poda do mato ou qualquer tipo de manutenção e, quando chega o período da estiagem, a ‘solução’ mais fácil ou o ‘acidental’, é a limpeza com o fogo.

Verdade seja dita, é necessário um endurecimento da lei para os proprietários de terrenos na cidade. É obrigação do poder público fiscalizar, e do proprietário, manter seu terreno limpo. Se não doer no bolso, a população vai continuar sofrendo as consequências na saúde.

Com isso, as chances de fatos como esse, seriam reduzidas praticamente a zero.

De acordo com a lei federal 9.605/98, queimada é considerada crime em todo o território nacional. Portanto, fica mais uma vez o alerta às autoridades de Rafard, para que esse crime e atitudes irresponsáveis sejam reprimidas.

Saúde

O clima mais seco favorece a ocorrência de queimadas. Além de diminuir a qualidade de vida de todos, observa-se a falta de cidadania e de respeito ao próximo.

A situação da queimada em Rafard, só não se agravou mais porque o vento soprava em direção ao cemitério municipal.

Os moradores estão revoltados com a situação.

“A fumaça está prejudicando toda a nossa vizinhança, principalmente as crianças acometidas por problemas respiratórios nessa época do ano”, desabafou uma moradora.

Inverno

O período de estiagem, caracterizado pela redução, atraso ou ausência de chuvas, é propício para incêndios em terrenos, pastagens e às margens de avenidas e rodovias. Nesta época, como o ar fica mais seco, a incidência de problemas respiratórios, gripes e alergias é maior.

Para minimizar os impactos da estiagem à saúde e também à natureza, a população deve se atentar a algumas recomendações sobre práticas que devem ser evitadas, como: jogar bitucas de cigarro em terrenos de mata, queimar lixo, atear fogo e soltar balões.

As consequências das queimadas, são enormes, incluindo destruição de plantações, perdas florestais, morte de animais silvestres (inclusive de espécies ameaçadas de extinção), acidentes envolvendo pessoas (em alguns casos, levando até a morte) e poluição do ar.

Cuide-se

Os efeitos causados pela baixa umidade do ar à saúde também podem ser minimizados pelas pessoas com algumas atitudes simples, entre elas:

  • consumir bastante água, frutas e vegetais;
  • evitar praticar atividades físicas entre 11h e 17h;
  • em casa, umidificar o ar espalhando toalhas úmidas ou bacias com água pelos cômodos;
  • e limpar os olhos com algodão e água esterilizada ou soro fisiológico (para evitar que fiquem secos e irritados).
Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar