Rubinho de Souza

As festividades e o reconhecimento pela vitória

Na data em que conquistamos nossa Emancipação política e administrativa, que como consequência nos deu autonomia em relação à Capivari, e passamos de Vila Raffard, para município, mesmo sendo na época apenas uma criança, me lembro das festividades que tomaram a nova cidade.

Naquele dia esperado por todos os moradores de Vila Raffard, Genaro Vigorito, que tinha ido à Capital Federal, acompanhar a votação que daria a vitória à Rafard, avisou os integrantes da Comissão Plebiscitária, que tão logo saísse o resultado, iria avisar o povo, através de Luiz Tomazzini, que tinha um rádio amador instalado na garagem da Empresa de ônibus Santa Maria, de sua propriedade, que ficava, abaixo da linha férrea.

Todos os principais personagens comprometidos diretamente com a “causa” da Emancipação, desceram na garagem para juntos, aguardar o comunicado de Genaro, que seria feito ao Luiz Tomazzini, via rádio, direto de Brasília.

A tensão, e a atenção entre os emancipacionistas, era muito grande, visto que a transmissão radiofônica era precária, cheia de interferências, e eles ansiosos, aguardavam a qualquer momento o resultado, que se fosse o esperado, teria valido a pena todos os esforços empreendidos.

Estavam reunidos na garagem todos aqueles que não puderam acompanhar Genaro na viagem à Capital Federal, mas que ficaram por demoradas horas na expectativa de a qualquer momento ter a tão esperada notícia.

A certeza, a confiança na vitória era tão grande, que foram encomendados caixas e mais caixas de fogos de artifício, sem contar as “ronqueiras” confeccionadas por Bimbo Bragion.

Genaro, certo da vitória, encomendou, barris de chopp, em número suficiente para encher a rua Maurice Alain. Quero um barril em cada poste, dizia ele, para cumprir a promessa feita muito antes, caso Rafard conseguisse a sua Emancipação. Até carne para um lauto churrasco foi providenciada para o povo, que aos poucos se aglomerava na rua principal.

Naquele clima de espera, quando o relógio do tempo parece querer parar para nos angustiar ainda mais, finalmente chega a notícia mais esperada através do rádio amador mais famoso da história da nossa cidade. Genaro não se contendo de emoção, dá a notícia a Luizinho Tomazzini: – Podem comemorar, ganhamos!

Rafard, finalmente estava emancipada!

Fogos de artifício (foto) começaram a pipocar nos ares, num som ensurdecedor, tal era a quantidade lançada nos ares ao mesmo tempo, enquanto isso Bimbo, literalmente fazia estremecer a nova cidade, estourando suas ronqueiras. Foi uma verdadeira explosão de júbilo e alegria que tomou o povo de Rafard, que é impossível descrever com palavras…

O povo se aglomerou de tal forma na Maurice Allain, que não havia espaço para tanta gente. A multidão de homens, mulheres, jovens, crianças, ia desde a Praça da Bandeira, até à frente dos sobrados dos irmãos Forti.
Todos estavam muito emocionados, alguns sorridentes, outros chorando, mas de alegria e todos aos berros, dizendo: – Acabou! Acabou! Vitória! Vitória! Viva Rafard! Viva Rafard!

O ponto alto, o auge da emoção, ficou por conta da chegada do Marechal da Vitória – o grande Genaro Vigorito – em Rafard, que numa entrada triunfal, em pé na carroceria de uma camionete chevrolet, desfilava pela cidade, aos gritos de: – Genaro! Genaro! Foi saudado por milhares de rafardenses, agradecidos ao capivariano, que por amor à mulher amada, assumiu o comando da luta pela emancipação e, não sossegou enquanto não viu a vitória final.

Em cada poste um barril de chopp. exatamente como ele havia determinado, e ainda grandes churrasqueiras repletas de carne, fumegando, espalhadas pela Maurice Allain para o povo ter churrasco à vontade.

Passadas as festividades, que parecia não ter fim na nova cidade, homens como Blota Júnior, Luiz Thomazi e Vicente Leporace foram agraciados pela primeira Câmara Municipal de Rafard, com títulos para cada um deles, de Cidadão Rafardense por defenderem Rafard na Assembleia Legislativa, dando assim enorme contribuição para o desfecho final, com a vitória de Rafard, agora como município.

E assim, a jovem Rafard dava seus primeiros passos, agora desprendida de Capivari, seguia seu destino, tendo à sua frente como seu primeiro gestor, Genaro Vigorito – O Marechal da Vitória.logo do fundo do baú raffard

Botão Voltar ao topo
Skip to content