Leondenis Vendramim

Bíblia sem preconceito – 43

leondenis vendramim colunista
Leondenis Vendramim é professor de Filosofia, Ética e História (Foto: Arquivo pessoal)

Concluímos o último artigo dizendo que as queimadas dos canaviais e o uso de agrotóxicos são crimes contra o ser humano, contra os animais, contra todo o meio ambiente, dos quais Deus pedirá conta. Sabemos que precisamos extrair da natureza o nosso alimento, os medicamentos, a água e tudo o que necessitamos para a nossa sobrevivência.

Os índios sempre viveram destes recursos, mas não os estocavam, nem os trocavam por dinheiro para se enriquecerem. Passei um tempo entre os carajás, na ilha do Bananal. Certa vez pescaram tantos tucunarés que a canoa veio cheia. Ao chegar na aldeia cada índio pegou um ou dois, ficando o restante ao ar livre. Vieram as índias e levaram, cada qual o bastante para sua família, nada para o amanhã. Ninguém ficou sem. A história registra um diálogo interessante.

Um cacique perguntou ao explorador francês o motivo de levarem tanta madeira para a França e a resposta foi: para vender, e ganhar dinheiro. O Cacique disse-lhe que o deus deles era melhor do que dos franceses porque ele dá todos os dias tudo o que precisam, não se preocupam com o dia do amanhã. O desejo de enriquecimento não poupa, se quer a vida própria, menos ainda importa a dos outros, dos animais e o meio ambiente.

Mas o preço que terão de pagar pelo derramamento de óleo nos oceanos, pelas queimadas, pelos agrotóxicos, pelos bilhões de mortes de animais, plânctons e seres humanos será muito mais do que poderão pagar. Assim será também com a pessoa cruel, que maltrata os animais.

Contudo, mais devastadora e mais contagiante é a poluição moral, ela é causa das demais, a fonte que dopa e excita os sentimentos da avareza e das demais paixões. Verdadeiro se torna o alerta bíblico: “O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males” (1Tm 6:10). Foi pelo dinheiro que Judas traiu seu Mestre (Mt 26:14-16). Foi por dinheiro que o profeta Balaão traiu seu povo (Nm 22:15-17). É pelo dinheiro que desmatam, derramam agrotóxicos inconsequentemente.

O jornal “Agora” 4/11/19 revelou que o Brasil, o maior exportador de carne bovina, está aumentando a exportação mensal de 100.000 para 177.000 toneladas de carne, equivalente a 681 mil bois por mês. O Brasil possui 175 milhões de bovinos, terá de aumentar o rebanho, ou seja, o desmatamento vai aumentar para dar lugar aos pastos. Outra imoralidade da nossa sociedade é a diferença nos rendimentos dos brasileiros, cada vez mais gritante.

Os ministros do STF deram-se um acréscimo de 16,3% ($ 5.500,00), aprovado pelo legislativo, passando de $ 33.700,00 para $ 39.200,00. A Folha de S. Paulo 4/11/19 noticiou: que os 760 desembargadores da ativa e aposentados de S. Paulo, recebem entre salário, auxílios e abonos, mensalmente $ 56.000,00 – quase 2 mil por dia, enquanto o salário mínimo subiu 4,6% e vale $1040,00.

É o terceiro pior salário mínimo no mundo. É bom que se digam, os políticos brasileiros ganham salários mais altos do que os empregados, com funções similares, de empresas particulares, recebem 6 vezes mais do que os franceses e mais do que os políticos de todo o mundo, com raras exceções. O Congresso brasileiro é o segundo mais caro do mundo.

Cada um dos 513 deputados federais e 81 senadores custa mais de $7 milhões por ano, mas o Estado não tem como dar saúde e educação com qualidade, oferece 5% de aumento aos policiais, “E o salário dos professores oh”. A fortuna dos 6 mais ricos do Brasil: Jorge Paulo Lemann, Marcel Hermannn Telles, Heins Carlos Alberto Sicupira (donos de cervejarias), Heins Eduardo Saverin (Facebook), Joseph Safra (banco), João Roberto Marinho (Globo), equivale à dos 104,6 milhões de brasileiros mais pobres somadas.

A imoralidade é inimaginável: roubam do INSS, FGTS, nas licitações de obras públicas… A imoralidade vai além da política, fraudam vestibulares e ENEM, furam filas nos bancos, estacionam carros nos lugares proibidos e reservados para deficientes e idosos, vendem o voto… Neste mundo de corruptores e corruptos, há uma nata, cuja estirpe não se deixa vergar ante a horda enlameada pela desonestidade.

Deus promete restaurar o mundo para aqueles que nEle creem e lutam para obter um caráter melhor, à imagem de Deus, semelhantes no caráter, na moral, bondade, amor… Nossa luta é contra nós mesmos, contra os defeitos de nossa personalidade. O homem tem maus desejos, mas cabe a ele dominá-los (Gn 4:7).

ARTIGO escrito por Leondenis Vendramim, professor de Filosofia, Ética e História. Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do jornal. São de inteira responsabilidade de seus autores.

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar