Editorial

Contágio social

04/11/2016

Contágio social

editorial

EDITORIAL | Foi típico de filmes de guerra ou ficção. O cenário, repercutido nacionalmente, da quadrilha com cerca de 30 bandidos explodindo agências bancárias, no Centro de Capivari, demonstrou a fragilidade da segurança pública e a audácia da quadrilha.
Armados com fuzis de mira a laser, bombas e tudo o que era de direito, o crime mostrou mais uma vez que é bem mais organizado que o Estado.
E não é preciso ser nenhum ‘expert’ no assunto para chegar a essa conclusão, como tentou explicar o nobre governador Geraldo Alckmin. “Isso é crime organizado porque envolve armamaneto pesado, envolve receptadores”, disse o chefe do Estado.
Ora, não é segredo para ninguém, muito menos para os bandidos, que as cidades amargam dia a dia menos investimentos em policiais, estrutura e armamento.
Apesar de parte da população criticar a ineficiência dos policiais no combate aos criminosos durante a ação, cabe defender e se colocar no lugar destes pais de família. Qual seria o resultado do confronto? Quem se daria melhor? Quantas vidas de inocentes seriam colocadas em risco para defender os bilionários bancos privados?
E sabe o por que de tanta ousadia dos bandidos? Eles são organizados, tem conhecimento e sabem com quem podem mexer, onde e quando podem agir.
Graças ao bom Deus, ninguém ficou ferido. Agora, que a inteligência da polícia faça o seu trabalho.
Pouca repercussão tem tido os furtos à inúmeras residências de Rafard e Capivari. Depois de um dia de trabalho, pais de famílias são obrigados a se deparar com a casa toda revirada e os pertences levados pelos bandidos. Nestes casos, o Estado não coloca toda sua ‘expertise’ para encontrar os responsáveis.
Fazer o que, não é? A vida continua e a sensação de medo também. O país vive um momento em que mais do que nunca, as pessoas precisam cada vez mais das pessoas. É preciso se ajudar e contagiar o próximo em fazer o bem, vigiando, auxiliando, compartilhando.
Que este contágio social do bem se torne cada dia mais, instrumento de transformação. Afinal, tem poder quem age. Mais poder, quem age certo, e, mais poder ainda, quem age na hora certa.
Boa semana!

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo