Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo

Macabras e estranhas as palavras de Paulo Betti

A escuridão não pode combater a escuridão; só a luz pode fazer isso. O ódio não pode combater o ódio, só o amor pode fazer isso. Martin Luther King Jr

Paulo Sérgio Betti é um ator e produtor de teatro, cinema e televisão, nascido em um sítio no hoje município de Rafard-SP, em 10 de setembro do ano de 1952.

Talvez dessas lembranças tenha vindo a declaração: “Adoro bichos. Quer coisa mais bonita que uma vaca, uma galinha?” (Fonte: Revista IstoÉ Edição 1653).

Mas, como militante da esquerda e do PT, Paulo fez outras declarações que chocaram. Por exemplo, quando saiu em defesa do governo Lula, ao comparecer ao jantar oferecido ao candidato à reeleição na casa do ministro Gilberto Gil: “Política não existe sem mãos sujas. Não dá para fazer sem botar a mão na m…“ (http://www.terra.com.br/istoegente/367/frases).

Paulo Betti apoiou Lula durante todas as suas candidaturas presidenciais, inclusive na última, em 2006, quando vários artistas deixaram de apoiá-lo devido ao escândalo que ficou conhecido na mídia como “mensalão”.

Descendente de italianos, Paulo nasceu numa pequena casa na zona rural de Rafard, no interior do Estado de São Paulo, tendo se mudado com sua família para a cidade de Sorocaba ainda durante sua infância. Casado por duas vezes, tem três filhos (duas mulheres e um garoto).

Sucesso no teatro, na televisão e no cinema, o artista gosta de polemizar. No final de setembro agora, dia 30, mostrou sua ideologia de “ao amigo a complacência, o perdão; ao inimigo, a morte”, numa entrevista ao portal da TV Uol: “No meio da multidão, isso não estava previsto. Ninguém tinha previsto que ia aparecer um maluco a golpear a camisa amarela onde estava escrito ‘Brasil acima de tudo’ ali e cravar uma faca ainda de maneira mais ou menos correta, mas não total”. E finalizou dizendo ser o militante Adélio Bispo “desgraçado” por não ter matado o candidato a presidente…

Não devemos tocar tambor para maluco dançar: os políticos nascem e passam e os artistas também, não são santos; às vezes podem até parecer.

Karl Max mesmo disse: “O caminho do inferno está pavimentado de boas intenções”.

Jesus recomenda, se desejamos alcançar a perfeição, algumas alternativas “Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem”… (Mateus 5:44).

Outro homem, comum e bom, também afirmou: “Eu decidi ficar com o amor. O ódio é um fardo muito grande para suportar” (Martin Luther King Jr.).

Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo é especialista em dependência química pela USP/SP-GREA
Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo é especialista em dependência química pela USP/SP-GREA

ARTIGO escrito por Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo é especialista em dependência química pela USP/SP-GREA. Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do jornal. São de inteira responsabilidade de seus autores.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios