MombucaNotícias

Mombuca fica fora da regionalização do Samu de Piracicaba

Base do Samu em Piracicaba, que será regionalizado (Foto: Leon Botão/G1)

Prefeituras devem pagar R$ 0,90 por habitante por mês para ter atendimento

MOMBUCA – O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Piracicaba cobrirá mais oito cidades vizinhas até o final do semestre, conforme proposta que será avaliada pela Secretaria Estadual da Saúde e encaminhada ao Ministério da Saúde para aprovação. Na microrregião de Piracicaba, apenas Mombuca e São Pedro não aderiram ao projeto. A primeira alegou falta de dinheiro; a segunda terceirizou o socorro médico.

Já os municípios de Rafard, Capivari, Rio das Pedras, Elias Fausto, Charqueada, Saltinho, Santa Maria da Serra e Águas de São Pedro aceitaram pagar R$ 0,90 por mês por habitante para contar com os serviços prestados pelo Samu, que tem atualmente seis unidades de suporte básico e uma avançada para atender a população de Piracicaba.

Com a regionalização, o município será responsável pela regulação das urgências da microrregião que chegarem pelo telefone 192 e contará com mais uma “UTI móvel” para atender as ocorrências das demais cidades. De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, “Capivari e Charqueada passarão a contar também com uma unidade de suporte básico cada, bancadas pela prefeitura, para atendimento dos munícipes.”

Também deve ser ampliado o número de médicos na regulação dos atendimentos. O atual custo mensal de manutenção do Samu em Piracicaba, conforme informações da administração, chega a R$ 700 mil. O repasse federal, no entanto, é de apenas R$ 117 mil. “Com a qualificação para Samu Regional, o repasse praticamente irá dobrar, mas a cidade continuará a arcar com a maior parte do custo”, explica a secretaria.

Falta de verba

Em nota, a Coordenadoria Municipal de Saúde de Mombuca informou ser favorável à regionalização do serviço, mas que diante da queda de receitas públicas optou por não aderir ao projeto por não ter dinheiro para o pagamento, que totalizaria pouco mais de R$ 36 mil por ano para uma população de quatro mil habitantes. “Sobre o atendimento na cidade, a coordenadoria esclarece que as urgências e emergências são encaminhadas à Santa Casa de Capivari”, informa a coordenadoria.

O transporte dos pacientes, segundo a prefeitura da cidade, é feito por ambulâncias e equipes profissionais da unidade de saúde municipal. “Vale ressaltar que em janeiro a prefeitura investiu na compra de dois veículos novos para a saúde, sendo um deles uma ambulância equipada para os atendimentos de urgência e emergência.”

Com informações do G1

Etiquetas
Botão Voltar ao topo
Fechar