ColunistasOpinião

O Deus Desconhecido 5

Alexandre Teles

Que a paz do Senhor e Salvador Jesus Cristo esteja em seu coração.

Continuando o estudo de Atos 17.22-31, estarei hoje dizendo que o Deus Desconhecido que Paulo pregou, é o Deus que não aceita idolatria.

Talvez o assunto sobre idolatria seja pouco degustável, mas sabemos que a idolatria é uma abominação aos olhos de Deus.

Mas de fato, o que é idolatria? É colocar qualquer objeto, pessoa, ou qualquer outra coisa no lugar de Deus, pois devemos adorar, venerar, louvar somente ao Senhor.

O amor ao dinheiro, por exemplo, é uma forma de idolatria, pois Jesus disse que é impossível amar a Deus e a mamom (riqueza). Milhões de pessoas em todo o mundo estão adorando o deus dinheiro. Alguns estão até usando a religião como pretexto para se enriquecer. Outros ídolos que tem escravizado muitas pessoas são o prazer, a vaidade, a soberba e a fama.

No mundo inteiro, miríades de pessoas estão se curvando diante de ídolos. No Japão, país que anda na vanguarda, na tecnologia moderna, multidões ainda se curva diante da imagem de Buda. Na Índia há mais de trezentos milhões de deuses. Na África, em muitos lugares, as pessoas estão adorando fetiches e sacrificando seus filhos aos demônios.

Vemos esta crença profundamente enraizada na cultura religiosa brasileira. Este é o país de muitos altares. Este é o país de muita idolatria e misticismo. Nosso povo acredita em horóscopo. Nosso povo anda atrás de guias e orixás. Nosso povo crê em duendes e gnomos.

Nosso povo vive atrás de bons fluidos e energizações. Nosso povo carrega suas imagens de escultura nos ombros, fazendo penitências e sacrifícios; ou as transportam em carros alegóricos pelas ruas, em procissões pomposas, com as ruas atapetadas de flores, pensando com isto estar agradando a Deus e fazendo a sua vontade.

Vivemos num país que, desditosamente, separou um dia do ano, como feriado nacional, para a adoração, veneração de sua santa protetora, a “senhora aparecida”, uma imagem pescada no rio Paraíba do Sul em 1717, quebrada a pauladas por um iconoclasta, restaurada por um artista plástico e agora guardada e protegida numa redoma de vidro à prova de bala.

Paulo argumenta que o Deus que o povo religioso e idólatra de Atenas não conhecia, criador do céu e da terra, não aceita idolatria. Este Deus vivo abomina toda sorte de idolatria e chama de maldito aquele que a pratica. A idolatria corrompe o coração e acarreta o severo juízo de Deus. A idolatria produz cegueira e entorpecimento espiritual. A idolatria produz ilusão.

Por isso, não podemos adorar a Deus segundo os ditames da nossa vontade. Deus exige ser adorado em espírito e em verdade. O culto a Deus precisa ser de acordo com a Palavra de Deus, e esta nos exorta: Filhinhos, guardai-vos dos ídolos. A idolatria é obra da carne. Os que praticam idolatria não herdarão o reino de Deus.

Os idólatras serão lançados no lago de fogo e enxofre. E ficarão fora da cidade celestial. Oh! Que o seu coração tema e trema diante destas tremendas afirmações das Escrituras. É hora de você deixar de lado toda crença vã. É hora de você acordar e abrir os olhos e perceber que os ídolos nada são. Eles não podem proteger você. Eles não podem ouvir você. Eles não podem abençoar você. É hora de você desviar seus olhos de imagens mortas e olhar para o Deus vivo. Entre você e Deus não existe uma miríade de mediadores.

Muitas pessoas têm seus santos de devoção e fazem longas e repetitivas rezas a esses santos, julgando com isto estar pavimentando a estrada de uma melhor comunicação com Deus. Esse é um profundo engano. Só há uma porta para o céu, e esta é Jesus. Nenhum santo pode ouvir nossas preces. Para um santo poder ouvir as orações e interceder por nós junto a Deus, precisaria ter os atributos incomunicáveis de Deus, como onisciência e onipresença. Somente Jesus pode interceder por você.

Neste tempo, mais do que nunca, é preciso repetir o sermão que Paulo pregou em Atenas, mostrando que o Deus desconhecido dos atenienses, o Deus verdadeiro, não tolera idolatria.

Na próxima semana estarei falando que o Deus Desconhecido que Paulo pregou, é o Deus que exige arrependimento.

Que Deus, em Cristo Jesus te abençoe, e até a próxima semana, se Deus quiser.

Alexandre Teles, serve ao Senhor Jesus Cristo na Igreja do Evangelho Quadrangular Catedral do Amor em Rio das Pedras.
Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do jornal. São de inteira responsabilidade de seus autores.

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar