ColunistasDenizart FonsecaOpinião

Reaparição de Cristo III – Amor, respeito e gratidão

denizart fonseca colunista
Denizart Fonseca, Cidadão Rafardense, oficial da FAB e professor de Educação Física e Desportos, colaborador desde a fundação do jornal O Semanário (Foto: Arquivo)

A isto deve acrescentar-se o que os cristãos gostam de chamar de ”A inescrutável vontade de Deus, esse propósito não reconhecido pelo Senhor do Mundo, o Ancião dos Dias (como é chamado no Antigo Testamento) que “conhece Seu próprio pensamento, irradia a qualidade mais elevada de amor, e focaliza Sua vontade em Seu próprio Lugar elevado, no centro em que a vontade de Deus é conhecida”.

Quando Cristo, o Avatar do Amor, fizer Sua aparição, então os filhos dos homens que são agora os filhos de Deus, afastarão seus rostos da Luz Resplandecente e irradiarão essa luz sobre os filhos dos homens que ainda não sabem que são filhos de Deus.

Aparecerá então, Aquele que vem e Seus passos se apressarão pelo vale das sombras, pelo Todo-Poderoso, que está no cume da montanha exalando amor eterno, luz suprema, pacífica e silenciosa vontade.

Então, responderão os Filhos dos homens:- “Brilhará nova luz no tão cansado e lúgubre vale da Terra nova vida circulará pelas veias dos homens e a sua visão, abarcará todos os caminhos, daquele que virá, então virá à Terra a Paz como jamais se conheceu até agora, e a vontade para o bem florescerá como compreensão e a compreensão frutificará como boa vontade nos homens”.

Tal qual o Dia das Mães, a sociedade convencionou como Dia dos Pais, o segundo domingo do mês de agosto e, unidos aos demais filhos que ainda os tem vivos, saudando-os e reverenciando a memória dos que; cumprida a missão na Terra, se encontram na espiritualidade.

A começar pela oração dirigida ao Pai Nosso que está nos Céus, que desde criança aprendemos ao tomar-Lhe a bênção, ao beijar pela manhã e à noite, a mão do nosso pai material, agradecendo o pão de cada dia que nos é dado, para alimentar nossos corpos, físico e espiritual.

É comum, durante conversas com parentes e amigos comentarmos sobre a personalidade dos nossos pais; sua postura digna, honestidade exemplar, amor à Pátria, respeitando as suas Leis conhecendo e aplicando os ensinamentos contidos nas frases “Deus Pátria e Família” bem como “Liberdade-Igualdade-Fraternidade

Lembramo-nos também dos seus costumes, ensinamentos a nós transmitidos pelos conhecimentos adquiridos em consultas a grandes obras literárias e experiências nos altos e baixos dos longos anos vividos.

Os sentimentos de amor, respeito e gratidão ao nosso pai, nascidos em nosso coração desde crianças, quando víamos nele o mais forte, simpático, inteligente e bondoso dos homens servindo de exemplo os demais, jamais deixarão o nosso coração.

Por sua vez, todo verdadeiro pai, deve assumir o compromisso de amar o filho, dar-lhe boa educação moral e cívica, orientando-o desde pequeno sobre os percalços que irá encontrar na caminhada terrena, que sabendo administrar bem seus haveres, poderá oferecer à sua família, saúde, paz, equilíbrio e consequente felicidade.

Todo pai está sempre ligado à segurança do filho, esteja onde estiver por ele rezando. Nossa homenagem sincera com fraternal abraço a todos os pais neste 11 de agosto de 2019, com votos de Paz Profunda. Assim seja.

ARTIGO escrito por Denizart Fonseca, Cidadão Rafardense, oficial da FAB e professor de Educação Física e Desportos, colaborador desde a fundação do jornal O Semanário
Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do jornal. São de inteira responsabilidade de seus autores.

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar