Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo

Tudo é passageiro, permanece a lógica e o bom-senso

“Na lógica da vida, dividir é aumentar. Dividir as conquistas multiplica a felicidade. Siga sempre a lógica da vida”. Augusto Cury

Quer ser melhor? Então se esforce e se sacrifique no estudo e no trabalho, esquecendo alegrias passageiras e lembrando que as alegrias verdadeiras estão em nós.

Mas faça tudo dosado, com dedicação e na convicção de que assim o melhor estará acontecendo com você. Só colhe quem planta, e quem renuncia às satisfações pessoais em favor do aprimoramento moral e espiritual só pode colher a felicidade plena.

A maior felicidade é a de proporcionar alegria e bem-estar aos outros do nosso caminho.

Guarde a lição da parábola do bom samaritano, que ia a caminho e teve compaixão do homem caído. Antes de o samaritano chegar, Jesus diz que haviam passado pela mesma estrada dois homens que estavam descendo, e que o samaritano estava em viagem. Linda essa descrição.

O Mestre desconcertava: um homem que não envelheceu, viveu apenas trinta e três anos, e tinha uma lógica e um bom-senso fora do comum. Todos queriam descobrir os seus segredos e a origem da autoridade moral que, quase sempre, o colocava acima dos próprios profetas que o haviam precedido.

Com enorme lógica suas recomendações modificavam radicalmente a determinação profética anterior.

Exemplo: quando dizia “ Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus” (Mateus 5:43-44).

Segundo a lógica de Albert Einstein, a história a seguir, que pode ser uma lenda, conta que estavam duas crianças patinando num lago congelado:

Era uma tarde nublada e fria, própria para o exercício da patinação, e as crianças brincavam despreocupadas.
De repente, o gelo quebrou e uma delas caiu, ficando presa na fenda que se formou.

A outra, vendo seu amiguinho preso, e se congelando, tirou um dos patins e começou a golpear o gelo com todas as suas forças, conseguindo por fim, quebrá-lo e libertar o amigo.

Quando os seguranças do local chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino: “Como você conseguiu fazer isso? É impossível que tenha conseguido quebrar o gelo, sendo tão pequeno e com mãos tão frágeis!”

Nesse instante, um ancião que passava pelo local, respondeu: “Eu sei como ele conseguiu”.

Todos perguntaram: “Pode nos dizer como foi, então?”

“É simples”, respondeu o velho: “Não havia ninguém ao seu redor para lhe dizer que não seria capaz”. (1)

(1) https://www.feis.unesp.br/Home/departamentos/fisicaequimica/relacaodedocentes973/alogicadeeinstein-1

Botão Voltar ao topo
Skip to content