Capivari

Parque Ecológico, Saúde e Meio Ambiente voltam a ser assunto na Câmara Municipal

A 5ª Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Capivari, como de costume, aconteceu na segunda-feira, 5, no plenário da casa de leis do município.
Durante a sessão foram votados projetos e requerimentos e a tribuna livre foi aberta para as discussões da noite. Mais uma vez, o Parque Ecológico, a saúde e o meio ambiente voltaram a ser assuntos de discussão.

Com a palavra Rodrigo Proença (PPS)
Rodrigo fala da lei das sacolinhas plásticas no município de Capivari. A Lei deveria começar a vigorar no dia 1 de março. Mas segundo o vereador, houve uma única discussão na Câmara Municipal, realizada entre ACIC , Procon, comerciantes de supermercados e diretores de meio ambiente. A lei municipal que está vigorando propõe a substituição das sacolas plásticas convencionais por sacolas plásticas oxi-biodegradáveis. Proença ressaltou que não existe nenhum estudo nem informação de que esse material seja ecologicamente correto. Ele explica que há informações de que essas sacolas acabam contaminando o solo quando se decompõem. Proença afirma que a Prefeitura Municipal de Capivari não cumpriu com sua responsabilidade: “três eventos de grande porte para discutir este assunto e isso não aconteceu, houve um único evento”, fala.
O Presidente da Casa, Vitor Riccomini (PTB) comenta que conversou com o presidente da ACIC (Associação Comercial e Industrial de Capivari), Marinilson Stênico Franco, que afirmou ser favorável à prorrogação de prazo, já que muitos comerciantes ainda têm estoque de sacolinhas e que a discussão na Câmara é muito importante.
Rodrigo disse que irá apresentar uma proposta de prorrogação de 90 dias para ser possível também a criação do Fundo Municipal do Meio Ambiente, porque, segundo o vereador, as multas aplicadas aos infratores têm que ir para esse fundo.
Proença ainda defendeu a implantação de plano de carreira e uma reestruturação na educação, para o que será apresentada uma nova proposta. O vereador Valdir Antonio Vitorino (PDT) emenda que a única escola de Capivari que teve uma média acima de 6 pontos foi a escola Prof. José Benedito Pinto Antunes. Segundo ele, as escolas de Capivari não têm uma boa qualidade de ensino. Vitorino ainda falou do programa de metas dos professores que não foi pago ainda.

Valdir Vitorino (PDT)
O vereador começou sua fala observando a presença da Guarda Civil Municipal, presente à sessão.
E o assunto da noite passou a ser o Parque Ecológico. Vitorino afirma que sempre está no Parque Ecológico de Capivari. Ele citou mais uma vez os inúmeros problemas de abandono e de contaminação do lago. Conta que se reuniu com o Diretor do Departamento de Meio ambiente Caio Kerches de Oliveira pedindo providências para a melhora do local e que também enviou uma mensagem ao prefeito e que não obteve nenhuma resposta.
Valdir pediu ainda que as pessoas respeitem a Lei do Sossego Público e que os fiscais sejam mais rígidos na fiscalização e punição dos infratores.
E finalmente solicitou ao Poder Executivo que fiscalize melhor o Pronto Socorro da Santa Casa, onde os médicos atendem muito mal os pacientes.

Nelson Soares (PR)
O vereador reclamou das guias rebaixadas de algumas ruas da cidade que permitem que em dias de chuva a água entre nas casas.
Também reivindicou melhorias no Bairro Morada do Sol e comentou sobre o Parque Ecológico, uma cobrança constante dos moradores.
Soares explicou que o prefeito aguarda a resolução das medidas judiciais para intervir no local, já que a lei proíbe qualquer investimento em áreas que não pertençam ao município.

Gilceane Malto (DEM)
A vereadora começou sua fala com a segurança pública. Ressaltou a importância da Guarda Civil Municipal na segurança do município.
Gil reclamou que os pedidos dos vereadores não estão sendo atendidos.
Ela também defendeu o aumento de subsídios para os vereadores, secretários e prefeito para a próxima gestão.
Aproveitou para ressaltar que foi uma das pessoas que mais criticou o Pronto Socorro da Santa Casa, mas que agora está feliz com as novas instalações. Segundo ela, a culpa da UTI estar fechada é da má administração dos dirigentes que estão lá há mais de 30 anos, e não do prefeito.

Arnaldo Nacarato (PSD)
Nacarato reclamou que só obtém respostas evasivas aos requerimentos que faz ao Executivo.

Mateus Scarso (PMDB)
O vereador repondeu ao colega, Dr. Arnaldo, sobre os requerimentos. Disse que fará uma sugestão para o executivo para contratar um guardinha ou estagiário para tirar cópias de tudo o que é feito na comunicação. Segundo ele, não há nada a se esconder, tem que ser transparente.
Comenta ainda que vai sugerir 2 banheiros químicos ao lado da banca de jornal da Rodoviária, para os passageiros que esperam os ônibus. E parabeniza o asfalto no Bairro Santa Rita.

Jorge Elias (PMDB)
Inicia sua fala parabenizando o asfalto no Bairro Jardim Branyl.
Falou do Parque Ecológico. Segundo ele, o procurador do município, Juarez Batistela, disse que o imóvel não pertence à prefeitura e que, portanto, esta não pode fazer obras de melhoria no local. Então o vereador pediu que sejam feitos trabalhos de manutenção que não tenham muitos custos ao município.
Comenta que todos os requerimentos são importantes e que em breve tudo estará no site, não sendo necessários requerimentos, mas que todos os documentos estão à disposição, tanto aos vereadores quanto à população.
O vereador Valdir da Farmácia pede um aparte e fala que a justificativa da falta de manutenção no Parque Ecológico ser o fato de que a propriedade não é do município o deixou revoltado. Ele emendou a discussão firmando que a Prefeitura cuida do Estádio do Capivariano e o do Ronaldão, que também não são do município.
A fala de Vitorino causou uma discussão no plenário e o vereador Jorge Eliascompletou que grandes investimentos não podem ser feitos mas que pequenos reparos sim. E que a administração está tentando regularizar essas áreas.
A vereadora Gil lembra que quando entrou no legislativo, um dos seus primeiros requerimentos foi para saber das áreas irregulares. Ela afirma que até o prédio onde está estabelecida a Prefeitura e a Câmara estão irregulares. Na verdade, segundo Gil, das 234 propriedades que o município possui, apenas 40 estão regulares.

Fim das discussões, todos os projetos de lei da ordem do dia foram aprovados.

Jornal O Semanário

Esta notícia foi publicada por um dos redatores do jornal O Semanário, não significa que foi escrita por um deles, em alguns dos casos, foi apenas editada.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
>>1XBET