NotíciasRafard

Presidente Rodolfo Minçon alerta para risco da falta de água nos próximos anos

Depósito que distribui água às casas do município tem rachadura, segundo o presidente da Câmara Rodolfo Antonio Minçon

Presidente da Câmara de Vereadores, Rodolfo Antonio Minçon acredita que, dentro de aproximadamente 10 anos, Rafard pode sofrer com escassez de água. Ele justifica que o município deve ganhar cerca de 800 casas (200 de novo conjunto habitacional e 600 de loteamento que deve ser lançado em breve), elevando de 2,6 mil para 3,4 mil residências, em números aproximados. Com o crescimento da demanda, se a população e o governo municipal não tomarem atitudes rápidas, a água, até então abundante, pode “desaparecer” nos próximos anos, alerta o presidente.
Hoje, seis poços artesianos são responsáveis por abastecer a população de pouco mais de 8 mil habitantes de Rafard. Há décadas, conta Minçon, os poços chegavam a produzir cerca de 50 mil litros/hora. Atualmente, produzem em média 15 mil litros/hora. Com o aumento de pessoas, ele acredita que a produção dos poços pode não ser suficiente para suprir a demanda. “Em médio prazo, se a situação continuar como está, Rafard pode passar por uma situação delicada no abastecimento de água”, diz o presidente.
Para evitar desabastecimento de água no futuro, Minçon diz que algumas medidas devem ser tomadas, entre elas: criação de um novo reservatório; captação de água em novas fontes (ele sugere o tanque da Fazenda Anselmo e a manutenção do tanque São José, que já possuiu sistema de captação, mas está parado); substituição de toda a rede hidráulica (é antiga e causa muito desperdício); instalação de registros escalonados e readequação da tarifa da água. De acordo com ele, o valor cobrado está abaixo do praticado nas demais cidades da região. Para o presidente, se a tarifa ficar mais cara, isso pode estimular a população a se conscientizar sobre a importância de não desperdiçar água. “O desperdício de água na cidade é muito grande”, afirma.
Outro agravante, explica Minçon, é o desperdício que há tempos vem acontecendo no depósito que recebe a água dos poços artesianos (próximo à Unidade Mista de Saúde) e a distribui à população. Segundo ele, o depósito tem uma grande rachadura e o vazamento de água é constante.

Empenho
Por meio de suas ações, o presidente do Legislativo tem demonstrado engajamento na busca por medidas que evitem o desperdício de água. Em junho, os vereadores aprovaram por unanimidade um projeto de lei elaborado por Minçon que prevê a instalação de reservatórios para captação e utilização da água da chuva para fins não potáveis (como descarga nos vasos sanitários e limpeza de veículos e calçadas) em prédios públicos.
Agora, ele está reunindo documentos e pretende buscar junto ao governo do Estado, por meio do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro), ajuda para solucionar o problema de vazamento de água no depósito de distribuição ou até, eventualmente, a construção de um novo reservatório.
A Prefeitura foi questionada sobre a possibilidade de escassez de água nos próximos anos, a rachadura no depósito de distribuição e também se pretende seguir as recomendações de Minçon. No entanto, até o fechamento desta edição, não se pronunciou.

Jornal O Semanário

Esta notícia foi publicada por um dos redatores do jornal O Semanário, não significa que foi escrita por um deles, em alguns dos casos, foi apenas editada.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo