CapivariDestaques

Suspeito de estupro e “boa noite, cinderela” contra amiga de 19 anos é preso pela Polícia Civil em Capivari.

delegacia-da-mulher-de-capivari
Foto: Divulgação/Polícia Civil

Homem de 20 anos embriagou a vítima e a estuprou

Um homem de 20 anos foi preso temporariamente suspeito de estuprar a amiga de 19 anos. A prisão aconteceu nesta terça-feira (26), pela Polícia Civil de Capivari, após a vítima, que é homossexual e melhor amiga do investigado, denunciar o crime.

Segundo a Polícia Civil, que investiga o crime, o abuso foi possivelmente realizado em uma espécie de “estupro corretivo” e sobre o efeito do “Boa noite Cinderela.” O crime foi cometido no dia 17 deste mês, em um local onde ambos (a vítima e o investigado) costumavam se encontrar.

Conforme relatado pela vítima, o agressor havia levado uma garrafa de Vodka, no entanto, afirmou não ter ingerido mais que um copo da bebida, e, mesmo assim, após uns 20 minutos simplesmente “apagou”, ficando inconsciente, não se recordando de nada que ocorrera dali em diante.

A vítima somente recobrou a consciência quando recebeu atendimento no Pronto Socorro, local onde percebeu que estava com marcas pelo seu corpo. A mãe da vítima e uma vizinha, relataram que quando a encontraram, a mesma estava chorando muito, com marcas pelo corpo, com o “zíper” de suas vestes aberto e completamente desorientada.

Ainda naquela data, o agressor retornou na casa da vítima por mais três vezes, onde insistia para que a vítima não o denunciasse. O caso foi registrado pela vítima na Delegacia de Defesa da Mulher de Capivari, onde a Delegada Titular, Dra. Maria Luísa, representou pela prisão Temporária do suspeito e ao mandado de busca e apreensão, os quais foram prontamente deferidos pela Justiça.

O mandado foi cumprido na data de hoje pela Polícia civil de Capivari. O imputado fora conduzido até Delegacia de Defesa da Mulher de Capivari, e posteriormente transferido até Cadeia Participativa de Piracicaba/SP. Vale destacar que a vítima recebeu o apoio necessário, desde médicos, atendimento psicológico e auxílios indispensáveis.

“O estupro corretivo e “Boa noite Cinderela”

Estupro Corretivo é a prática criminosa que visa exercer controle sob eventual comportamento social ou sexual da vítima. A violência sexual é cometida, normalmente, contra vítimas lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros, sob pretexto de ‘curar a homossexualidade’.

O “Boa noite, Cinderela” é um golpe no qual a vítima é dopada ao ingerir uma bebida alcoólica misturada com outra substância. O golpe é aplicado por pessoas mal-intencionadas com o intuito roubar ou abusar sexualmente da vítima. Ao ingerir a bebida misturada com a droga, a vítima tem sua atenção e memória afetadas, tornando-se submissa a outra pessoa.

Casos

Daniel Tarciso da Silva Cardoso foi acusado de ter dopado “Boa noite Cinderela” e violentado sexualmente pelo menos seis alunas durante sua graduação na USP. Os 06 estupros cometidos por Daniel não foram inéditos na Universidade de São Paulo. Conforme descritos na CPI, até o ano de 2019, na USP, mais de 100 casos de estupro foram constatados no relatório final. Em um mapeamento realizado pelo Jornal do Campus em 2018, cerca de 130 estupros foram denunciados nos últimos cinco anos, dentro da Universidade de São Paulo.

Em janeiro de 2019, no Estado do Mato Grosso, um homem de 34 anos foi preso por espancar e estuprar um homossexual, de 30 anos. O agressor embriagou a vítima durante festa de confraternização e a ofendeu. Depois da festa, a levou para um local onde a agrediu com um capacete e a estuprou. Segundo relatos, no decorrer da festa o homem passou a ofender a vítima, com frases de cunho homofóbico, ridicularizando a forma de se expressar dela, e dizendo que não tolerava homossexuais e que deveria “aprender a virar homem”.

A partir de 24 de setembro de 2018 com a Lei n° 13.718, o Estupro Corretivo passou a integrar o texto do Código Penal brasileiro, como causa de aumento de pena para os crimes contra a Liberdade Sexual, dentre eles o Estupro. De tal modo, o artigo 226 passou a ter a seguinte redação: “Art. 226. A pena é aumentada: IV – de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços), se o crime é praticado: b) para controlar o comportamento social ou sexual da vítima.”

Denuncie

Delegacia de Defesa da Mulher de Capivari
TEL: (19) 3491-2563 / (19) 3491-1422
E-mail: [email protected] /[email protected]

Delegacia Eletrônica:
https://www.delegaciaeletronica.policiacivil.sp.gov.br/ssp-de-cidadao/home

Disque 100

O canal de denúncia da Mulher, Família e dos Direitos Humanos é um serviço de proteção a crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. Ele funciona diariamente, das 8h às 22h, e qualquer pessoa pode prestar uma queixa, seja menor ou maior de idade.

O serviço também recebe denúncias que envolvem violação de direitos de grupos considerados vulneráveis. A denúncia é encaminhada para o órgão responsável e depois há um monitoramento do Disque 100, que entra em contato para dizer os próximos passos. A chamada é gratuita.

As denúncias também podem ser feitas ao Conselho Tutelar, à Delegacia de Defesa da Mulher de Capivari, às Promotorias de Justiça, entre outros órgãos.

Disque 180 – Canal anônimo de denúncias.
Guarda Civil 153
Polícia Militar 190
Patrulha Maria da Penha: 3491-8214 / 3491-1311

Ouvidoria

O Disque 100 também possui uma ouvidora online, em que denúncias podem ser realizadas. O anonimato também é preservado.

Botão Voltar ao topo