DestaquesPetsSaúde

Porque as vacinas nacionais não protegem seu pet contra cinomose?

saúde animal cinomose
Foto ilustrativa

Na região da cidade de Capivari há muitos relatos de donos que estão perdendo seus pets, vacinados com as vacinas nacionais para uma doença chamada cinomose. Mas, porque isso está acontecendo? Você conhece essa doença? Sabe a diferença entre a vacina nacional e a internacional?

Para que você possa entender mais sobre o caso, é importante que conheça essa doença e saiba o quanto ela é perigosa para seu animal.

O que é a cinomose?

A cinomose é uma doença canina altamente contagiosa que é provocada pelo Vírus da Cinomose Canina (VCC), pelos vírus CDV (Canine Distemper Vírus). Esse vírus é da família Paramyxoviridae que costuma afetar várias espécies de animais entre eles cachorros, os furões e outros animais selvagens. Se trata de uma doença extremamente grave, que leva muitos animais há óbito.

Os sintomas da cinomose

Os sintomas que a cinomose apresenta são de uma infecção viral, febre bifásica, secreções nos olhos e no nariz, anorexia, indisposição, vômito. Depressão, leucopenia, desidratação, hiperceratose (descamação e bolhas) do focinho, problemas respiratórios, sintomas neurológicos como convulsões e mioclonia (contrações involuntárias, repentinas e involuntárias do músculo).

Independente se o animal receba ou não tratamento eles podem desenvolver paralisia e problemas neurológicos devido à redução dos neurônios.

Outro sintoma que o cachorro pode desenvolver é a cegueira, isso acontece porque a doença dilata as pupilas, queimando a retina, quando animal permanece em ambientes iluminados.

Tratamento da cinomose

O tratamento geralmente é realizado com antivirais, anti-inflamatórios e vitamina A. Mas para essa doença os veterinários não garantem 100% do sucesso, já que dependerá do estágio em que a doença se encontra.

Por isso, é importante levar o animal ao veterinário quando você perceber os primeiros sintomas, só assim ele terá chances de cura. Quando a infecção já está avançada infelizmente o animal pode até se curar, mas ficará com sequelas neurológicas, entre outros problemas.

Como acontece a transmissão?

De maneira geral a transmissão entre os animais ocorre pelo contato de secreções. Seja pelo contato direto com a secreção do animal por contato físico, ou pelo contato com a secreção no ambiente.

Existem relatos que o ambiente contaminado pela secreção de um animal com cinomose, pode ficar infectado e transmissível por até seis meses. Por isso, se você pretender ter outro animal nesse mesmo ambiente antes desse período, deve realizar um reforço na vacina, com pelo menos 3 doses do esquema antes de colocar um animal saudável no mesmo ambiente.

A polêmica das vacinas nacionais e importadas

Muitos donos de animais relatam que perderam seus animais mesmo estando com o esquema de vacinas completos contra a doença. E que as vacinas realizadas em seus animais eram as vacinas nacionais.

“Perdemos o nosso mascote – um lhasa apso de 8 anos – no último dia 12 de fevereiro de 2020. Não sabíamos a diferença entre a vacina nacional e a importada. Nosso Max estava com a vacina em dia, mas era nacional. Mesmo assim, ele foi infectado, a doença agiu muito rápido e mesmo com todas as medicações, ele não resistiu. É muito triste!”, conta Túlio Darros, diretor-proprietário do jornal O Semanário, que contava com a companhia do pet no escritório, em Rafard/SP.

Segundo Darros, a ideia de produzir esse artigo é uma maneira de alertar os donos de cães para que a doença não se espalhe.

“A informação é a melhor prevenção e reduz drasticamente os riscos. Neste momento, nosso maior conforto é ajudar outras pessoas a protegerem seus pets”, finaliza.

Porque existe essa diferença entre a eficácia das vacinas nacionais e internacionais?

As vacinas nacionais são fabricadas com o mesmo processo de qualidade que as vacinas internacionais. O que acontece é que as vacinas nacionais, não possuem o mesmo rigor que as internacionais na sua distribuição e armazenamento.

As vacinas nacionais são transportadas e armazenadas muitas vezes fora do padrão mínimo necessário para manter a qualidade da vacina e com isso elas podem “perder” a sua eficácia.

Já as vacinas internacionais são vendidas apenas para os veterinários e seguem de maneira rigorosa, todo o padrão exigido para transporte e armazenamento. Mantendo assim a mesma qualidade que a vacina foi fabricada. Por isso, tem o valor um pouco mais alto que as vacinas nacionais.

Infelizmente, para uma melhor proteção do seu animal é altamente indicado realizar a vacinação com a vacina internacional e com o veterinário.

Uma informação tão importante quanto essa na maioria das vezes não é passada para os donos de pets. E muitos acabam perdendo seus animais, pensando que eles estavam protegidos contra essa doença.

Para evitar que essa doença se espalhe ainda mais, é importante que o local que o pet infectado esteve presente, seja bem desinfetado e permaneça sem outro pet por pelo menos seis meses.

Outro ponto extremamente importante é que se seu pet foi vacinado com a vacina nacional que você leve ele até o veterinário para uma consulta. Assim o veterinário indicará se há uma necessidade de um reforço da vacina com uma dose da vacina internacional.

E para evitar ainda mais que haja uma epidemia de cinomose, que tal compartilhar esse post com um amigo que tenha um cachorro?

Etiquetas
Botão Voltar ao topo
Fechar