Arnaldo Divo Rodrigues de CamargoColunistasOpinião

Deus escolheu e não deu certo

Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo é especialista em dependência química pela USP/SP-GREA

Muitas pessoas acham que sua vida não vai bem por causa dos outros, mas isso quase nunca é verdade – na maioria das vezes, não vai bem ou não dá certo por nós mesmos.

O primeiro casal criado por Deus, segundo a Bíblia, foi “contratado” para tomar conta do paraíso, e não deu certo. Agora Deus deixou por conta de cada um escolher sua “cara metade”.

Eram somente os dois, Adão e Eva. Não tinham sogra ou parentes, não tinham vizinhos e não precisavam cumprir os dez mandamentos: “Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor, teu Deus, te dá”; “Não matarás”; “Não adulterarás”; “Não furtarás”; “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo”; “Não cobiçarás a casa do teu próximo; não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo”.

Eles estavam “garantidos no emprego”, pois não tinham concorrentes; era só não comer do fruto da árvore da sabedoria, ou árvore do conhecimento do bem e do mal, ou árvore da ciência.

(Um parêntese: além dessas singularidades, também não tinham umbigo… Seria mais bonito não tê-lo? O umbigo serve para quê, após o nascimento?)

Quando Deus criou o jardim do Éden, Ele fez crescer nele todo tipo de árvore com fruta boa para se comer. No meio do jardim, colocou a árvore do conhecimento do bem e do mal. Ele deixou o homem comer do fruto de todas as árvores que quisesse, exceto desta. Se o homem provasse desse fruto, neste dia morreria (Gênesis, 2:16-17).

Mas Adão não resistiu e, junto com sua mulher, comeu do fruto proibido e foi “dispensado por justa causa” do paraíso. Teriam agora que comer com o trabalho e com o suor do próprio rosto.

Imagine você se Eva e Adão não tivessem cometido o primeiro “pecado”… Nós não teríamos aprendido, porque errar é aprender. Imagine no paraíso somente comendo e bebendo: seríamos verdadeiros animais, não desenvolveríamos a inteligência e seríamos roliços como o porco.

Adão e Eva viviam, anteriormente, como favorecidos. Há certas pessoas que também vivem assim na Terra, mas, diferentemente do primeiro casal, vivem bem por mérito próprio. É um grupo privilegiado, uma “panelinha” de pessoas que está quase sempre feliz não por serem ricas, mas por serem gratas, por acreditarem que receberam de Deus tudo de que precisavam, e por se acharem também responsáveis por seu destino – junto com o Criador. É um grupo de abençoados, cumprindo a lei divina e vivendo coisas boas não materialmente, mas emocional e espiritualmente. Tente segui-las, porque você vai se dar bem.

Ah! E observe também aquele grupo que vive distante de Deus, e que leva uma vida sofrida, uma vida de lamentar-se, de vitimizar-se, de culpar os outros e de autoenganar-se… Evite viver como essas pessoas. Não as siga, para não sofrer como elas (podemos aprender muito com os erros alheios). E, se necessário, estenda a mão para auxiliar as pessoas que ainda estão equivocadas no mal.

ARTIGO escrito por Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo é especialista em dependência química pela USP/SP-GREA
Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do jornal. São de inteira responsabilidade de seus autores.

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar