Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo

Agradecimento pela bênção ou pelo aprendizado

“Por mais constrangedoras as circunstâncias, serve e segue adiante. Onde te encontres e como te encontres, recorda que Deus conta contigo, tanto quanto contas com Deus”. Meimei

Final de ano é tempo de avaliar um período mais longo de nossas vidas, em primeiro lugar, agradecer por tudo que passou, e em segundo procurar entender que aquilo que não foi bênção foi lição e aprendizado, pois todos gravitamos em torno do nosso Pai.

Quando conversamos com Deus, nós nos acalmamos, ouvimos as respostas d’Ele e isso nos fortalece e nos dá serenidade.

Tenhamos conosco que o que tivermos que passar em função de nossa semeadura do passado, diante da lei de causa e efeito, vamos passar, o que muitos costumam dizer “o que tiver que ser, será”. Só que não somos autômatos ou máquinas, somos seres espirituais com a liberdade de escolher novos caminhos e de aprendermos, por exemplo com o apóstolo Pedro, que assegura: “O amor cobre a multidão de pecados” (1ª. Epístola: 14:8).

Nós, que abraçamos o cristianismo revivido, entendemos que errar não é pecado, mas aprendizado, porém com consequências morais e espirituais, com projeção em nosso corpo espiritual e físico em outras encarnações.

Experiência é assimilar as lições e conseguir se transformar após os erros; aquilo que nos fere e superamos vai nos dar fortaleza, que é a melhoria contínua.

O projeto divino de Deus para todos os Seus filhos é que alcancemos a perfeição, o que significa a felicidade plena. Ele nos oferece as condições de que precisamos para chegar lá, e ninguém nos impedirá, porque a lei divina nos favorece, segundo nosso desenvolvimento moral, a vencer as lutas.

Jesus fala em talentos que o Poder Superior oferece a cada um de nós, que são a nossa espiritualidade. Isto não é outra coisa senão esse doloroso processo de crescimento, como os bebês que se transformam em grandes almas; lembremos de algumas: Francisco de Assis, Albert Einstein, Chico Xavier, que venceram esse interminável trabalho de esculpir a si mesmos, pois somos os arquitetos de nosso destino.

Qual será a utilidade do conhecimento sobre tudo o mais, se não conhecermos quem somos?

Somos feitos do que superamos.

1) Meimei (Chico Xavier) – Amizade – IDEAL.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Skip to content