Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo

Que seja treva ou luz…

Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo é especialista em dependência química pela USP/SP-GREA

Os verdadeiros amigos são como as estrelas no céu.
Eles são mais claros nos tempos de escuridão…
Ana Carolina

Sabiamente o nosso Pai estabeleceu a luz e as trevas para harmonizar a nossa vida na generosa Terra.
De dia e de noite, oportunidades de elevação em virtude e sabedoria, dependendo do aproveitamento das atividades. É certo que cada um de nós deve decidir se quer caminhar na luz do altruísmo construtivo ou nas trevas do egoísmo.

Todo dia, porém, chega a hora do descanso, que requer tranquilidade, e quanto mais trevas, melhor para se dormir, sem luz alguma, sem ruídos; é importante eliminar do ambiente qualquer fonte de som, luz, aroma ou calor que possam acelerar o metabolismo e impedir o sono, mesmo que não percebamos conscientemente.

Algumas pessoas têm medo do escuro, devem buscar ajuda, outras preferem dormir no claro; neste caso, deverá usar um abajur pequeno e colorido, ou deixar a luz do corredor acesa e a porta um pouco aberta; seria uma alternativa menos ruim.

Porque, quando dormimos com luzes de lâmpadas acesas ou de televisão ligada, não ocorre o processo normal da melatonina. A metade do nosso cérebro não descansa, porque ele não produz melatonina que se realiza no escuro, e então causa o cansaço, e o nosso dia seguinte não é bom.

Veja, então, alguns benefícios de uma boa noite de sono. Durante o sono, o corpo diminui a produção de cortisol e adrenalina, ajudando a diminuir o estresse. Ajuda a controlar o apetite; quem dorme menos, come mais. Dormir bem melhora o humor, porque a pessoa acorda descansada, e ativa a memória. E também vai ativar o raciocínio.

Uma boa dica antes de dormir, para relaxar e auxiliar a viagem no mundo espiritual que fazemos todas as noites quando dormimos, é oração e meditação, e também a leitura.

O ideal é que a pessoa se deite na cama somente quando tiver sono.

Antes disso, pode-se ficar recostado na cama ou, de preferência, no sofá, lendo um livro sob uma luz um pouco mais branda até direcionada para o livro. Devemos procurar ler algo que traga paz e tranquilidade, evitando obras e dramas que promovam tensão e estresse, como noticiários (principalmente quem gosta, como eu, de ver as últimas notícias e a parte esportiva) – evite, mude o hábito.

Já sabemos que palavras que não dão luz aumentam a escuridão, e que um mínimo de luz vence muitas trevas.

Também sabemos que ainda somos imperfeitos e que temos luz e trevas dentro de nós, o que vai nos definir vai ser o lado com o qual escolhemos agir.

Disse o Nazareno: “A luz do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo se encherá de luz. Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há está apagada, quão grandes serão tais trevas!” (Mateus 6:22-23).

Outro importante pacifista que passou pelo nosso planeta falou sobre a treva não ter poder e que a luz do amor é sublime – Martin Luther King Júnior: “A escuridão não pode expulsar a escuridão, apenas a luz pode fazer isso. O ódio não pode expulsar o ódio, só o amor pode fazer isso…”.

ARTIGO escrito por Arnaldo Divo Rodrigues de Camargo é especialista em dependência química pela USP/SP-GREA
Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do jornal. São de inteira responsabilidade de seus autores.

Etiquetas
Botão Voltar ao topo
Fechar