Leondenis Vendramim

Cânon Bíblico

Cânon é palavra recebida do grego que significa “vara reta”, que os cristãos aplicam como vara para medir ou decidir sobre a veracidade das escrituras (inspiradas por Deus) e diferenciá-las dos livros apócrifos (não inspirados). Ver artigo anterior sobre os livros apócrifos. Orígenes (185 – 254 d,C.) de Alexandria, foi o primeiro a chamá-los apócrifos.

A Bíblia é um conjunto de livros divididos em Velho Testamento, com 39 livros escritos antes de Cristo e os do Novo Testamento, com 27, depois de Cristo. No tempo em que o V.T. foi escrito, a língua hebraica não possuía vogais, nem pontuação. Os eruditos judeus, que zelavam pela integridade das Escrituras Sagradas, chamados massoretas, acrescentaram-nas para facilitar sua leitura e compreensão. A Bíblia, Novo e Velho testamentos, não tinham sequer as divisões em capítulos e versículos. Stephen Langdon, Mestre de Teologia na Universidade de Paris e depois Arcebispo de Cantuária, dividiu a Escritura Sagrada, em 1227, na Idade Média, em capítulos. Lutero publicou sua Tradução com essa divisão. A Bíblia de Genebra foi a primeira editada com capítulos e versículos. Os primeiros cinco livros, chamados Torah, foram elaborados por Moisés por volta de 1495 a.C. e o último, por Malaquias no ano 425 a.C.

Quanto à formação do cânon do V.T é constituído de três partes: Leis ou Pentateuco, Profetas e hagiógrafos ou Salmos (os demais). Esta tríplice divisória, é considerada por Jesus (Luc 24:27 e 44). Na lei incluem os cinco livros de Moisés: Gênesis, Êxodo, Levíticos, Números e Deuteronômio; os Profetas, os quatro profetas maiores: Isaías, Jeremias, Lamentações, Ezequiel, e os treze menores: Daniel, Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miqueias, Naum, Habacuque Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias. Nos Hagiógrafos ou Salmos são incluídos os demais: Josué, Juízes, Rute, 1 e 2 Samuel, 1 e 2 Crônicas, 1 e 2 Reis, Esdras e Neemias, Ester, Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cantares.

Diz-se, que o erudito Esdras, filho de Sereias, descendente do Sacerdote Arão, escriba e sacerdote, exímio conhecedor das Escrituras, e Neemias organizaram o cânon do V.T. em 445 a.C. entre os judeus do século 1 d.C., havia uma coleção bem definida dos livros sagrados constantes da Bíblia hebraica antiga, do que testemunham Fílon, filósofo e Flávio Josefo, historiador, ambos judeus do século 1 d.C.; eles nada citam dos apócrifos (Dicionário A.S.D, v. 8, ps. 200 – 202). Padre Jerônimo, tradutor da Septuaginta, rejeitou como inspirados os livros apócrifos, foi seguido pelo Papa Gregório o Grande, pelo Cardeal Caetano e outros (Post de Leandro Quadros: Série Catolicismo: livros Apócrifos) Os apóstolos e o Mestre Jesus citavam com frequência os livros do V.T. e nunca mencionaram qualquer dos não inspirados, nem os “Pais Apostólicos” (150 d.C.) fizeram menção alguma deles como autoridades inspiradas.

O Cânon do N.T. é formado pelos quatro evangelhos: Marcos, Mateus, Lucas e João; Atos dos Apóstolos; as cartas paulinas: aos Romanos, 1 e 2 Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1 e 2 Tessalonicenses, 1 e 2 Timóteo; Tito, Filemom e Hebreus; carta de Tiago; 1 e 2 cartas de Pedro; 1, 2 e 3 cartas de João, carta de Judas e Apocalipse. Este cânon foi estabelecido pelas citações dos próprios discípulos e do Mestre Jesus, chamando-as de Escrituras ou Palavra de Deus. (João 5:39; Lc. 11:51- referindo a 2Cro. 24:20-21; 23:15-16). Paulo menciona que sua escrita era a “Palavra do Senhor”. (1 Tes. 4:15) A carta aos Hebreus, é, praticamente, um comentário do V.T. e possui a mesma autoridade dada pelo próprio Cristo e Seus discípulos.

O A.T. foi escrito entre 1495 a 445 a.C. e canonizados em 445 a.C enquanto o N.T. no período de 52 a 96 d.C., porém, sua canonização só foi reconhecida no Concílio de Cartago no ano 397 d.C. A Igreja primitiva possuía o V.T. com as profecias concernentes a Jesus Cristo e obtiveram o N.T. diretamente de Jesus e dos Seus apóstolos.
No alvorecer da cristandade surgiu o evangelho de Lucas testificando a vida do Mestre, Seus ensinos e obras.

Lucas revelou que já havia escritos sobre esses ocorridos, na maioria das igrejas (Lc. 1:1-4). A Epístola de Barnabé e a segunda de Clemente escritas antes de 150 d.C. falam sobre os ensinos dos livros e das igrejas e pode incluir as cartas de Paulo e os evangelhos. As cartas paulinas eram lidas, copiadas, enviadas para outras igrejas (Col. 4:16) e lidas também pelos outros discípulos (2 Pe. 3:15-16).

O conceito de cânon do Novo testamento foi concebido por volta de 150 d.C., quando já consta no documento “Muratorian Fragment” que se encontra na livraria do monastério de Milão.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
>>1XBET